terça-feira, 31 de agosto de 2010

Vida Líquida

O sal do mar, que me enterra os pés
também corroe minha memória
bem ou mal, deixa guardada
só a mais forte lembrança

assim vou deixar por mim fluir a vida,
viver sempre do bom e do novo
e por hábito, esquecer todo o hábito.
Figurinha repetida, não cola mais no álbum

mas a essência, por mim não passará
com a mão direita, vou segurar, forte
e o mais forte vou prender
preencher assim o hiato, o vazio

vou viajar e longe do sal, e do mar
minha alma não enferrujará
sei que não morrerei, sem provar
o doce sal da vida

05/08/2010

2 comentários:

Paulo Vasconcelos disse...

Ufa...
não fechei mais um mês sem um texto!

tinha esse na manga!

Mirelle Nina disse...

Entrou pro clube, Paulinho... já ganhou uma fã!!! Um cheiro ;p