domingo, 25 de abril de 2010

O Distraído

Hoje ao sair de casa, mais uma vez me acompanhou,
a antiga sensação de deixar algo para trás...
E assim tem sido, a cada porta que fecho,
algo de importante deixo, perco, esqueço...

Antes quando meus poucos pertences perdia
Me aflingia a mesma agonia,
Pois de muita serventia eram
E eram, os chinelos, o boné, o lápis...
E ao sair, me restava a pargunta:
- O que será que deixei por ai?

Hoje apenas as cabeças mantenho comigo
Pq se mudaram, pouco, continuam aqui, coladas no meu corpo
Posso por mil casas passar, mas
Sei que elas (pelo menos elas) não vou deixar!

Mas hoje acordei, vi o telefone e horas?
Bati a porta de casa, fechei a porta do carro
Ví que perdi algo novo, e não foram chaves, ou documentos
Dessa vez, em algum canto da minha vida confusa,
meio a bagunça das minhas recordações
Eu perdi você.


Paulo Vasconcelos
30/10/2009

10 comentários:

Laís disse...

*-*
eu n sabia q além de um ótimo arquiteto.. tu ainda escrevia mtooo bem!!!! adorei.. lindo, lindo!!! ^^ escreva sempre, viu? e me avise quando atualizar! :*

Paulo Vasconcelos disse...

valeu Lais!
vou mandar mesmo mais coisas!
abraços!

Natália Macedo disse...

Meu amigo tão querido,você me enche de orgulho. :)

thiagossoares disse...

Gostei zé mané, sempre soube que vc é uma grande artista, parabéns.

Anônimo disse...

Ei, é possível esquecer sim uma das cabeças!
Vc pode beber até cair e mergulhar naquela mulher que nem é tão gostosa, mas só pq vc bebeu um pouquinho além da conta ela virou um mulherão e numa dessas vc perde uma ou as duas de suas cabeças... e é tão gostoso!

Anônimo disse...

EU SOU GAY!!!!

Paulo Vasconcelos disse...

pô esse anonimo é muito impossivel!

Mirelle Nina disse...

Mais um dom do meu sempre surpreendente amigo!!! Perfeito!!! Beijos!

Lícia disse...

:)foi dedicado a alguem em especial??

anjo disse...

massa!